Noiva BH por Rose Quadros

Qual o melhor nome para a sua atividade? - por Ibraim Neto

21/08/2013

Qual o melhor nome para a sua atividade?

Revolução nas comunicações - Do início dos anos 80 pra cá, a Internet revolucionou a comunicação mundial devido à sua grande objetividade, ao baixíssimo custo, à facilidade de se fazer publicações sem censura e, sobretudo, devido à enorme velocidade para se atingir a toda a aldeia global com apenas um clique.
Acompanhando a esta tendência mundial foram surgindo novas formas de comunicação como os blogs, o Twitter e as redes sociais, onde se usa uma linguagem fácil e direta.

Reação de mercado - Esta revolução trouxe a reboque uma incrível reação de mercado para o bem de todos nós, pois com a enorme exposição internacional que os produtos e serviços de cada empresa passaram a ter, devido ao fato dos clientes estarem informatizados, foi inevitável que surgissem as comparações. Hoje em dia, todos os pontos positivos e negativos das empresas que se publicam na Internet foram ressaltados, pois passaram a ser comparados aos seus principais concorrentes em todo
o planeta.
Por isso, para se manterem vivos no mercado, profissionais e empresas se lançaram a uma incansável corrida às melhorias, não só aumentando a qualidade de seus produtos e de seus serviços, mas como também buscando constantemente praticar preços mais competitivos, para não serem lançados fora do “bonde da história”. Em diversos ramos assistimos hoje esta saudável busca pela excelência profissional e pela utilização de “gestão empresarial”, até mesmo em microempresas.

Possivelmente devido a esta reação de mercado, pessoas e empresas foram buscando naturalmente novos termos para nominarem as suas atividades profissionais. Passaram a utilizar nomes mais adequados e claros, para que sua atividade fosse se tornando melhor compreendida comercialmente por seu público.
Foi daí que no crescente mercado de casamentos, por exemplo:

  •  Freguesa virou Cliente
  •  Costureira virou Estilista
  • Organizadores e Recepcionistas viraram Produtora de Eventos ou Cerimonial
  • Cozinheiros e garçons viraram Buffet
  • Conjunto musical virou Banda
  • Discotecário virou DJ
  • Fotógrafo continuou Fotógrafo
  • Flora virou Decoração
  • Doceira virou Pâtisserie
  • Leões de Chácara viraram Seguranças
  • Coral virou Músicos da Cerimônia
  • Etc…

Pode parecer que não, mas é de grande importância comercial que a sua atividade profissional seja conhecida por um nome adequado ao ser veiculada no mercado em que você atua. Vivendo num mundo virtual de grande agilidade nas comunicações, no qual a maioria das grandes empresas emprega largamente a linguagem de ícones e de logomarcas, pode ser extremamente desastroso ter a sua atividade profissional publicada por um nome que não comunique bem ao seu público o que você realmente faz

Porém, no mercado de casamentos há um exemplo deste tipo de nome desadequado que é usado de forma recorrente e que, mesmo passando despercebido por muitas profissionais da área, gera muitos problemas comerciais ao seguimento de música.

É o seguinte: em se tratando de música, um Coral é um grupo musical composto por 20 vozes, em média, com um repertório mais clássico, que pode ou não ter o acompanhamento de um órgão ou de outros instrumentos musicais.
Em décadas passadas, as músicas das cerimônias de casamentos eram executadas basicamente por Corais e muitos deles estão em plena atividade até hoje. Mas hoje em dia, além dos Corais, atuam também nestas cerimônias as Orquestras, as Cameratas (que são pequenas orquestras), diversos Grupos Musicais eruditos ou populares, assim como pequenas formações musicais, instrumentais ou vocais, tais como TriosDuetos, etc.

Está prática de tratar os Músicos da Cerimônia como “Coral” surgiu entre os cerimonialistas das cidades do Rio de Janeiro e de São Paulo e se alastrou por diversas capitais do país. É um equívoco chamar a todos os Músicos da Cerimônia de um “Coral” ou chamar a este seguimento profissional de “o Coral do casamento”.

É evidente que a noiva não tem a menor obrigação de entender de música, mas quando está organizando o seu casamento, normalmente busca as Produtoras de Eventos ou osCerimoniais para auxiliá-la na montagem do evento e se incluindo aí a parte musical. Quando asProdutoras de Eventos e os Cerimoniais tratam a todos os Músicos da Cerimônia como um“Coral”, isso gera uma confusão no mercado que, além de ser incômoda aos músicos, vem até causando uma diminuição no número de contratos fechados por alguns músicos que não são um “Coral”.

Entenda porque: Imaginemos uma noiva que sabe realmente o que é um “Coral”, mas que esteja procurando outro tipo de música para a cerimônia de seu casamento. Pois bem, muitas vezes acontece que, para otimizar o seu tempo, ela acaba nem indo assistir às apresentações de certosMúsicos da Cerimônia que ainda não conhece e que não são um “Coral”, por acreditar que estes se tratam de um “Coral” (grupo musical com muitas vozes e um repertório mais clássico), porque pelo nome de “Coral” eles lhes foram indicados.

Sabemos que há Produtoras de Eventos e Cerimoniais que oferecem uma assessoria mais pormenorizada e que conseguem filtrar estes equívocos, e não chamam a todos os Músicos da Cerimônia de um “Coral”, mas nem todos são assim. Há muitos anos eu percebo que este simples fato, que passa despercebido por algumas Produtoras de Eventos e alguns Cerimoniais, os quais com certeza não fazem isto por mal, atrapalha e muito o mercado dos músicos. Mas tudo isto pode ser resolvido por uma simples alteração: tratar a esta atividade profissional, ou a este item da “Lista de Checagem do Evento”, pelo nome que realmente deve ter: Músicos da Cerimônia. Espalhe esta ideia!

Obrigado!
Ibraim Netto.

Visite o site: www. ibraimneto.com.br

Compartilhe:

Escrito por: Rose Quadros
Topo