Noiva BH por Rose Quadros

Casamento Mi e Ruy - Rose Quadros Cerimonial

11/11/2013

Vocês se lembram da Michelle Vargas (Mi)? Ela contou sobre o noivado nesse post aqui, sobre o chá de lingerie aqui e eu publiquei o teaser do casamento aqui. Meu carinho por ela é tão grande que é difícil de explicar. Nós duas somos enfermeiras (ela é praticante), gostamos de gastronomia, temos visões de mundo e de vida muito parecidas. Ela e Ruy planejaram uma bela cerimônia em abril de 2013 e hoje residem em Montreal, no Canadá.

A equipe escalada para o casamento da Michelle e do Ruy era a Rose Quadros Cerimonial Equipe 2pois eu estava escalada para outro evento. Michelle se casou num sábado às 11 horas e eu, mesmo muito cansada pois havia feito evento na noite anterior (vocês verão minhas olheiras ENORMES nas fotos baixo), fiz questão de ir ao salão da Equipe Mafê vê-la, dar um abraço e um beijo nessa noiva que tanto gosto. Ao me ver ela chorou, e eu? Não segurei a emoção, é claro! Pela segunda vez uma noiva se emociona ao me ver (a primeira foi a Vivian, leia aqui). Como da primeira vez, fiquei um pouco surpresa e até acanhada ao perceber a reação da Michelle, mas também me senti abençoada por receber um carinho tão puro e genuíno como esse. Mi, MUITO obrigada por ter me escolhido para participar do seu dia e, depois disso, da sua vida (mesmo que seja só de longe!) rs

 

Ela e eu

Bom, eu já falei demais! Agora é hora da Mi contar tudinho sobre como foi esse dia lindo!

“O nosso casamento foi em uma manhã de um lindo sábado de sol, às 11 horas no dia 06 de abril desse ano, na Igreja de Lourdes. A semana que precedeu o casamento choveu muito. Eu já estava desesperada, rezando todos os dias pra São Pedro. Ele me atendeu. Eu nunca pensei em me casar de manhã, nem a tarde. Era bem tradicional e sempre pensei no casamento a noite e em uma igreja. Quando ficamos noivos mudei um pouco o modo de pensar (de tanto procurar inspirações e me apaixonar por muitos casamentos que vi em blogs). Pensamos em fazer o casamento no interior e ao ar livre, mas por uma série de questões decidimos nos casar onde nós dois morávamos e numa igreja. No nosso caso de manhã, que hoje considero um dos horários mais lindos, tanto pras fotos como pela beleza do sol e do dia.

Eu preparei quase tudo sozinha (mania de controle!) e o noivo fez a identidade visual (que mantivemos desde o jantar de noivado). Muita coisa eu mesma fiz e decidimos não fazer festa. Só a parte da cerimônia deu um mega trabalho (caixas e sacolas para convidar os padrinhos, dama de honra, lágrimas de alegria, convites de agradecimento…). Como sou super perfeccionista e adoro inventar, investi em cada detalhe. E saiu do jeitinho que eu quis.

Mas vamos começar do início. Logo depois do nosso noivado eu comecei a preparar o convite dos padrinhos. Ofereci a eles macarons dentro de caixinhas embaladas com tecidos fofos, numa sacolinha estampada com o nosso brasão e uma carta linda, convidando-os a serem nossos padrinhos. Fiz os mesmos para as damas de honra.

Comecei a fechar com os fornecedores no início de dezembro, foram quatro meses pra eu decidir tudo.

Cerimonial? Eu conheci a Rose através de um evento que pude participar (só fui em um evento de casamento e foi justamente o que ela preparou, o Pra Casar). Logo de cara me identifiquei super com ela. Foi a primeira coisa que garanti. Sabia que esse era o primeiro passo a se fazer. Sabe aquelas pessoas que AMAM o que fazem? É a Rose. É sempre bom ter profissionais assim (eu tive sorte, além dela, TODOS, são aqueles que fazem por amor, tornando nosso dia mais perfeito). No dia do casamento ela foi até o salão me ver e saber como tudo estava se passando. Engraçado que nesse dia eu não chorei (eu sempre travo nessas horas) e quando eu a vi eu não me segurei, fiquei super emocionada. A Rose sempre me transmite segurança e tranquilidade. Ela é o retrato de casamentos pra mim, foi quando eu a vi que eu me realizei que era o dia do meu.

E meu dia de beleza? Desde quando eu decidi me casar eu já sabia que queria fazer minha maquiagem com a Mafê, nunca tive dúvida disso. E depois de fechar com o cerimonial fui logo fechar com ela (eu também a conheci no mesmo evento do cerimonial). A Mafê é especial, linda e pra mim faz A MELHOR maquiagem. Como eu disse, eu sou super perfeccionista e na hora de me maquiar a coisa piora. Passava horas vendo maquiagens de noivas de vários salões de BH e sempre voltava pras fotos da Mafê. Foi um dia especial. Como me casei às 11 horas da manhã, a Mafê abriu o salão muito mais cedo que o normal, e às seis da manhã estávamos lá, começando o grande dia. O meu cabelo quem fez foi o Theo. E ele arrasou. Atendeu exatamente ao que eu queria. Minha mãe e minha tia também se arrumaram comigo.

 

O Ruy se arrumou em casa com seus primos, sua tia, um amigo francês que veio especialmente de Montréal para esse grande dia e a Tchuca (bola de pelos da família). E prepararam um making-of FITNESS de arrasar. Ele também acordou cedinho e logo desceu para academia do prédio pra fazerem as fotos por lá.

 

E a fotografia? Ah, dois amigos fotógrafos que fizeram faculdade com o Ruy foram os escolhidos. A gente já brincava no início do trabalho deles que quando nos casasemos seriam eles quem fariam nossas fotos. E assim foi. A Lívia e o Rafael, do Lira Fotografia, além de super amigos são dois profissionais excelentes. E só o fato de serem nossos amigos tudo fluiu lindo. Não canso de ver as fotos.

O vídeo? Fechei com o Henrique e o Junior, do Studio Max. Vi o trailler de uma amiga da faculdade e me apaixonei. Os dois me acompanharam no making-of também e foi uma manhã super agradável. Meu pai virou fã deles e ficava só fazendo palhaçada durante a filmagem, tornando tudo tão natural e resultando em vídeos lindos.

O vestido? Essa foi a melhor parte. Eu comecei a procura do vestido 3 meses antes do casamento (um pouco em cima da hora, eu sei!). A princípio pensei em adaptar o da minha mãe, mas não deu certo. Aí fui em várias lojas de BH, experimentei alguns, mas não tinha certeza do que queria e quanto gostaria de pagar. Cheguei a finalizar o desenho de um vestido com uma costureira no interior e já estava prestes a comprar os tecidos quando me dei conta que valeria muito mais a pena ir pra Miami e comprar o meu (e de quebra ter uma despedida de solteira na Disney). Como já estava em cima da hora e ninguém tinha disponibilidade de viajar comigo (o noivo tinha viajado antes com os amigos e não poderia vir), fui com a Fê, guia de viagens e amiga querida, da To Travel. Ela sabia o que eu ia gostar e me levou no lugar certo. O primeiro que a gente foi, e assim encontrei meu vestido. Um Vera Wang, da linha White da estilista. Nunca imaginei um vestido de noiva como o meu para o grande dia. Tinha que ter sido realmente esse. Eu ainda vou usar ele mais uma vez (quando fizermos um ano de casamento, quem sabe!).

 

Para ir a igreja eu escolhi um carro bastante antigo e clássico e foi meu pai quem me acompanhou (que deixou minha mãe com tanto ciúmes de não ir com a gente). No caminho todo mundo ficava olhando o carro, e criancinhas ficavam falando: “olha a princesa!”. Dei para o meu pai durante o percurso um lenço bordado com a frase: “Papai, hoje eu sou noiva, amanhã esposa, mas para sempre sua filha. Te amo, Michelle”. Eu sou filha única, né?! A queridinha do papai, e quero continuar sendo. Eu entrei com o véu no rosto. Acho super chique. Eu estava bem nervosa e quando cheguei com meu pai na frente do Ruy não sabia o que fazer. Continuei do mesmo lado que eu estava, esquecendo de trocar. Só fomos trocar lá no altar, depois do cerimonial me avisar que eu tinha me esquecido. Na verdade, só fui me soltar na metade da cerimônia.

 

A cerimônia? Foi celebrada pelo Pe. Sebastião Carvalho, da família, que eu convidei para celebrar nosso casamento. Foi super bacana porque pudemos contar um pouco da nossa história para ele poder falar um pouco no decorrer da cerimônia, e tive total liberdade para escrever meus votos, que ele checou no final para ver se tava de acordo (o Ruy preferiu repetir o que o padre falou para evitar o choro intenso todas as vezes que ele faz um discurso).

O coral escolhido foi o Mater Dei. Escolhi um solo (a Marlene Matos foi a solista, ela tem uma voz de arrasar), 4 coristas, orgão de tubo, trompete triunfal e violino. Essa pra mim foi uma das partes mais difíceis: a escolha das músicas. Eu sou clássica, mas ao mesmo tempo gosto de escolher as músicas por uma razão. O Ruy e os padrinhos entraram com La Vie en Rose, de Edith Piaf; as minhas três damas, com When you wish upon a star, de Pinhochio (eu sempre arrepio quando ouço essa música!), eu entrei com a clássica Nona de Beethoven, cantada, antecedida pelo som da clarinata e a marcha nupcial (AH, clichê que eu AMO!), a aclamação ao Evangelho foi Jesus, Alegria dos Homens, a benção das alianças foi Ave Maria de Gounod (na igreja essas duas partes da cerimônia devem conter músicas sacras), para as assinaturas foi a tão especial Michelle, dos Beatles, que não estava no repertório do coral, mas que a Marlene Matos fez questão de procurar e ensaiar com os músicos e comigo e na saída eles cantaram All you need is love, também dos Beatles. Cada música teve um porquê e uma história. A decoração foi Maria Viriato e escolhi rosas brancas. Foi eles também quem fizeram a coroa da daminha.

 

 

Damas? Logo quando marcamos o casamento eu já sabia que minha priminha, de quase três anos seria minha daminha e defini que seria somente ela no meu cortejo. Mas sempre achei lindo damas de honra adultas também, e convidei minhas duas primeiras melhores amigas (nos conhecemos desde os quatro anos de idade). Alugamos o vestido da Lulu na Tetê Rezende, seguindo o mesmo tom do meu. Quando fui pensar no vestido das adultas só vinha na minha cabeça a mesma cor (que eu sei que é um tema polêmico). Já que elas também eram damas gostaria que todas seguissem a mesma cartela de cor. Não sou fã de colorido pras damas. E acabei definindo assim. Eu particularmente, achei lindo. Clássico e sem muito perequetê. A daminha levou uma boneca feita à mão pela Berenice (de Bambuí, cidade no interior de Minas, onde eu nasci e meus pais ainda moram) e as damas adultas levaram um bouquet de gypsum que fiz com a ajuda do Luiz Bicalho, da Equipe Mafê enquanto eu me preparava.

 

Damas? Logo quando marcamos o casamento eu já sabia que minha priminha, de quase três anos seria minha daminha e defini que seria somente ela no meu cortejo. Mas sempre achei lindo damas de honra adultas também, e convidei minhas duas primeiras melhores amigas (nos conhecemos desde os quatro anos de idade). Alugamos o vestido da Lulu na Tetê Rezende, seguindo o mesmo tom do meu. Quando fui pensar no vestido das adultas só vinha na minha cabeça a mesma cor (que eu sei que é um tema polêmico). Já que elas também eram damas gostaria que todas seguissem a mesma cartela de cor. Não sou fã de colorido pras damas. E acabei definindo assim. Eu particularmente, achei lindo. Clássico e sem muito perequetê. A daminha levou uma boneca feita à mão pela Berenice (de Bambuí, cidade no interior de Minas, onde eu nasci e meus pais ainda moram) e as damas adultas levaram um bouquet de gypsum que fiz com a ajuda do Luiz Bicalho, da Equipe Mafê enquanto eu me preparava.

 

Como não tivemos recepção (há muitos que torcem o nariz e não entendem as nossas escolhas, mas não me arrependo em nenhum momento de não ter feito) houve os cumprimentos na porta da igreja com direito a bolhas de sabão e os tradicionais bem casados, da Lenir Maia. Foi tudo muito lindo e perfeito. Cada detalhe, família, amigos e ver pessoas que tanto amamos por lá celebrando o amor com a gente. Foi uma cerimônia tradicional com toques que fizessem nossos convidados pensarem em nós. Recebemos tantos elogios e fiz muitos chorarem (inclusive o noivo) com meus votos que parecia não acabar.

7 meses se passaram e o nosso casamento foi um dia muito especial e muito esperado para nós, afinal já tínhamos quase oito anos de namoro, né! Com certeza, um momento pra sempre inesquecível!”

 

 

Rose Quadros Cerimonial Belo Horizonte - Solicite orçamento aqui

Cerimônia: Igreja de Lourdes – Celebrante: Pe. Sebastião Carvalho – Música da cerimônia: Coral Mater Dei – Decoração: Maria Viriato 31) 3283-1319 / (31) 8738-1319 Email: j.viriato@yahoo.com.br -Fotografia: Lira Fotografia – Vídeo: Studio Max Cinema e Vídeo – Vestido de noiva e véu: White byVera Wang – Grinalda: David’s Bridal – Faixa de pedras: David’s Bridal – Brincos: Swarovski – Sapatos: Coach – Bouquet e flor da lapela de pérolas: Berenice – Boneca da daminha: Berenice – Lenço pai da noiva: Berenice – Alianças: H. Stern – Traje do noivo: Hugo Boss – Sapato do noivo: Mr. Cat – Maquiagem e cabelo: Equipe Mafê – Bem casados: Lenir Maia Gourmet (31) 3337-9011 / (31) 8793-2539 Email: lenir@lenirmaiagourmet.com.br – Lágrimas de alegria: noivos – Identidade visual – noivo – Convite: Atelier do convite

 

Compartilhe:

Escrito por: Rose Quadros
Topo